Liberty Media apresenta pacotão de propostas para melhorar a F1

Largada do GP da Australia - Steven Tee - LAT Images

E como já era previsto a Liberty Media divulgou nesta sexta-feira (6) no Bahrain, o seu pacotão de propostas para a F1 a partir da temporada de 2021, ano em que entra em vigor o novo acordo comercial e técnico entre a FOM, FIA e as equipes da categoria. 

Chase Carey, atual presidente da F1, e o atual diretor técnico da categoria, Ross Brawn, se encontraram com todos os dez chefes de equipe em uma reunião de 90 minutos no Bahrain, onde explicaram para qual direção querem levar o campeonato. 

"A F1 é um esporte com uma rica história. Queremos preservar, proteger e melhorar essa história ao liberar o verdadeiro potencial da F1, colocando nossos fãs no centro de um dos esportes mais competitivo e emocionante mundialmente. Somos movidos por um único desejo: criar uma marca esportiva líder mundial. Centrada nos fãs, comercialmente bem-sucedida, lucrativa para as equipes, além da inovação tecnológica no coração de tudo" - disse Chase Carey, no comunicado. 

No comunicado eles abordaram as cinco principais áreas que foram debatidas que foram: redistribuição de renda, governança, regras técnicas e esportivas, unidades de potência e custos. 


Unidades de potência

- Devem ser mais baratas, simples, barulhentas, ter mais potência, reduzindo a necessidade de punições no grid
- Devem permanecer relevantes aos carros de rua, híbridos e permitir que as fabricantes construam um motor único e original
- As novas regras devem ser atrativas para as novas fabricantes, e as equipes clientes devem ter acesso a performances equivalentes.

Custos

- O Liberty acredita que comovocê gasta o dinheiro deve ser mais decisivo e importante do que o quantode dinheiro você gasta
- Apesar de haver alguns elementos padronizados, a diferenciação dos carros devem permanecer como um valor importante
- Implementação de um teto de gastos que mantém a F1 no topo do automobilismo, com uma tecnologia em estado de arte

Distribuição financeira

- A nova distribuição financeira deve ser mais equilibrada, baseada em meritocracia pela performance atual e recompensar o sucesso das equipes e dos detentores dos direitos comerciais
- As franquias históricas, únicas e de valor deverão ainda assim ser reconhecidas
- A distribuição ajudará tanto as equipes quanto as fornecedoras de motor

Regras esportivas e técnicas

- Quer deixar os carros mais propícios a competições e aumentar as oportunidades de ultrapassagens
- Tecnologia de engenharia deve permanecer  um pilar, mas as habilidades dos pilotos devem ser predominantes para a performance
- Os carros devem e irão permanecer diferentes uns dos outros e contar com diferenciadores de performance, como aerodinâmica, suspensão e performance da unidade de potência. Contudo, acreditamos que haja áreas que não são relevantes aos fãs que precisam ser padronizadas.

Governança

- Uma estrutura simples e lógica entre equipes, FIA e F1. 
O encontro de sexta-feira foi mais uma apresentação do que um debate, sendo que as equipes deverão pensar no que ouviram para dar continuidade às discussões posteriormente. 
Foi mais um encontro para passar informações e passar as visões às equipes”, disse Brawn ao Motorsport.com.
“As equipes precisam digerir isso agora, e depois as discussões em si vão começar. Foi um encontro simples, sem maiores controvérsias.”
Ferrari e Mercedes continuam como as duas equipes que mais precisam ser convencidas – e, de forma intrigante, Toto Wolff e Niki Lauda se encontraram com Maurizio Arrivabene nas dependências da Mercedes para discutir o que ouviram. 
Share on Google Plus

About Raphael Carvalho

0 comentários:

Postar um comentário