Leclerc afirma: "Ericsson não é um piloto ruim, mas tem má reputação "



E estreante da equipe Sauber, Charles Leclerc, que vem tendo dificuldades em seus primeiros fins-de-semana de F1, exaltou a competência de seu companheiro de equipe Marcus Ericsson.

De acordo com Leclerc , Ericsson que chegou na nona posição no GP do Bahrain marcando assim os primeiros pontos da equipe nesta temporada, é um piloto muito bom porém tem uma má reputação, além disso ele falou que tem aprendido muito com seu companheiro de equipe que está já na quinta temporada na categoria, sendo quatro delas com a Sauber. 

"Ele é um piloto muito bom. Mas tem uma má reputação, entretanto eu acredito que ele não merece isso. Em Melbourne e no Bahrain, ele foi muito rápido. Foi difícil para mim. E eu vou aprender muito com ele. Isso é muito bom, e espero que continue assim" - disse o atual campeão da Fórmula 2.
Marcus Ericsson até a última temporada, era um dos pilotos mais pesados do grid, chegando a ter 10kg a mais que seu ex-companheiro de equipe na Sauber, Pascal Wehrlein.

Porém no intervalo da temporada de 2017 para a temporada de 2018, Ericsson adotou um rigoroso plano de treinamento e dieta, e o resultado foi que ele conseguiu perder 5kg de peso corporal, sem que isso afetasse o sua força, além disso também o carro da Sauber mesmo adicionando o halo, ficou cerca de 5 a 8kg mais leve.

"Tive um inverno muito difícil, trabalhei e ainda estou trabalhando duro. Em toda a minha carreira na F1 eu tive deficit de peso para os meus companheiros de equipe. É complicado de enfrentar, você tentar falar para as pessoas, mas elas não levam isso em conta" - disse o piloto sueco.
"Charles é o companheiro de equipe mais forte que eu já tive. Ele é muito rápido, porém eu sinto que também consegui melhora bastante. Eu vejo essa como a minha grande oportunidade de mostrar o que fazer e o quanto eu me desenvolvi ao longos desses últimos anos como piloto".
O sueco que conquistou dois pontos no GP do Bahrain, não chegava na zona de pontuação desde o GP da Itália de 2015, e por isso um grande alivio terminar novamente na zona de pontuação no último domingo.

"É um grande alívio pois tive alguns anos muito complicados. Eu senti um peso saindo dos meus ombros, pois mesmo sabendo que o carro não tinha desempenho para marcar pontos, nós estamos aqui para fazer o contrário " - concluiu Ericsson.



Share on Google Plus

About Raphael Carvalho

0 comentários:

Postar um comentário